BALNEáRIO CAMBORIú (47) 9 9129-4499
Ligamos para Você
Imóveis BC
Telefones para Contato

Busca de Imóveis

Selecione os critérios de busca nos campos abaixo e encontre seu imóvel dos sonhos

Blog » Reimaginando o mercado imobiliário após o covid-19

Publicado na Quarta, 13 de maio de 2020, 12h34
Reimaginando o mercado imobiliário após o covid-19

É unânime entre os especialistas do setor imobiliário que o fator covid-19 já está promovendo uma série de mudanças comportamentais e, por conseguinte, entender as mudanças e seus impactos será tão importante quanto a prevenção ao vírus.

O Home Office não é exatamente uma novidade, contudo, em detrimento a pandemia houve uma aceleração a adoção dos trabalhos a partir de casa. A mudança pegou a todos, empresas e trabalhadores desprevenidos e não houve tempo para planejar as atividades tampouco os espaços. Muitas empresas já anunciaram que adotarão o home Office e, portanto, tendem a reduzir os espaços ocupados para escritórios mesmo com os protocolos de segurança que passam a ser exigidos.

Casas e apartamentos também serão reorganizados para que se tornem ainda mais funcionais compartilhando o mesmo espaço para moradia e trabalho. A busca por espaços mais confortáveis e convenientes pode vir a ser uma oportunidade para o setor imobiliário, entender mais profundamente quais serão as próximas necessidades permitirá antecipar-se as vendas ou locações por estes novos espaços.

As diversas ferramentas de inteligência de mercado nos mostram um universo de oportunidades para o curto, médio e longo prazo. Por exemplo, a intenção de compras por um imóvel continua, porém, o prazo foi postergado. A gestão dos prospectos ou clientes via CRM é essencial para manter o diálogo. Se o momento sugere cautela na hora da venda, saber em detalhes as demandas do cliente contribui para que a oferta seja feita na hora certa.

As informações de mercado também ajudam a entender a dinâmica econômica da região de atuação.

O isolamento social impactou profundamente os shopping centers cuja premissa é a concentração de pessoas. A reinvenção dos espaços é inevitável e servir de ponto de last mile é uma opção viável.

A migração de canal de compra do físico para o online tem feito com que o setor logístico ocupe mais galpões em regiões estratégicas para agilizar e facilitar as entregas.

As mudanças nos escritórios serão necessárias para estar em conformidade com os protocolos de limpeza e higienização.

Tudo passa a ser repensado, observar o setor de cada empresa em cada região, ou seja, fazer a leitura por antecipação será a porta de entrada para futuras negociações.

Em geral o mercado tem classificado o momento em três fases: choque, transição e o novo ciclo.

A primeira fase é a do choque no qual se busca compreender o tamanho do custo econômico para o país e para as regiões de atuação. Estamos vivendo esta fase agora. Nesta fase apenas o essencial importa. Bens duráveis não fazem parte desta lista.

A segunda é a de transição na qual haverá um claro entendimento da contração de oferta e demanda, comportamento dos preços, quais serão as novas demandas, etc.

A terceira é o novo ciclo, ou seja, uma nova fase de crescimento. Aspectos comportamentais e evolutivos estão acima de preço e espaço, por exemplo.

O setor imobiliário teve grandes aprendizados com crises anteriores e parece estar mais preparado do ponto de vista digital. Observa-se que a crise atual está servindo para unir incorporadoras, imobiliárias, corretores, arquitetos, ou seja, a formação de um ecossistema é iminente e os benefícios serão muitos para todos.